O Turco Mecânico - Diário de Notícias

O Turco Mecânico - Diário de Notícias
Na verdade, por muito maus que sejam os computadores, piores serão sempre os humanos que os constroem e manipulam, na avidez de mais lucro, de mais poder, ou de outra coisa que o valha. Para compreendermos isso, nada melhor do que a história do Turco Mecânico, contada num livrinho que é quase thriller, The Mechanical Turk: The True Story of the Chess-Playing Machine That Fooled the World, de Tom Standage (Penguin Press, 2002). Vamos a ela.

Para alguns parecerá bizarro que alguém como o francês Jacques de Vaucanson haja dedicado tanto tempo e esforço a conceber um autómato-pastor que tocava flauta e tambor e um pato Mecânico que ingeria, ou parecia ingerir, grãos de milho, sendo capaz de digeri-los e, imagine-se, defecá-los. Mais estranho ainda é pensar que boa parte da invenção era uma fraude, isto é, que não havia máquina nenhuma que conseguisse pôr um pato a digerir e a defecar, tudo não passando de um truque para seduzir plateias embasbacadas e até intelectuais reputados, como Goethe. Ainda assim -- e, uma vez mais, é aqui que bate o ponto --, Vaucanson não foi um completo charlatão, antes o inventor do primeiro tear Mecânico, mais tarde aperfeiçoado por Jacquard, criador da célebre máquina com o mesmo nome.

Das máquinas e dos autómatos que marcaram aquela época, nas vésperas da Revolução Industrial, a mais fascinante de todas terá sido o Turco Mecânico, obra de Wolfgang von Kempelen, um homem prodigioso, nascido na atual Bratislava, Eslováquia, então parte do reino da Hungria, Império Austro-Húngaro. Estudante de Direito e Filosofia em Viena e em Roma, interessado em matemáticas, versado em várias línguas, tradutor para alemão do Código Civil húngaro, bem-parecido e bem-falante, Kempelen singrou na corte de Maria Teresa, teve cargos de relevo, responsabilidades várias. Na Primavera de 1770 espantou a imperatriz e o palácio com uma invenção extraordinária: um boneco com a aparência de um Turco, de turbante e longos bigodes, que, sentado a uma mesa, jogava xadrez com mestria.