Por que ler (e prestar atenção) em Julio Cortázar - Splash

Por que ler (e prestar atenção) em Julio Cortázar  Splash

Por que ler (e prestar atenção) em Julio Cortázar - Splash
Há certa leveza na forma como o argentino Julio Cortázar encarava a vida entre livros. Para ele, a literatura era uma forma de brincar, um jogo que levava muito a sério. "A literatura é assim - um jogo, mas um jogo no qual a gente pode colocar a própria vida. Pode-se fazer tudo por esse jogo".

Cortázar, que se foi no 12 de fevereiro de quarenta anos atrás, diz isso numa entrevista a Jason Weiss publicada pouco depois de sua morte. Revisito a conversa que saiu no segundo volume de "As Entrevistas da Paris Review", lançado pela Companhia das Letras em 2006 (tradução de George Schlesinger).

Cortázar é autor de "O Jogo da Amarelinha", que, com suas possibilidades de caminhos para leitura, não deixa de ser uma brincadeira em forma de romance. Com histórias como "A Autoestrada do Sul", do livro "Todos os Fogos o Fogo", e "Casa Tomada", de "Bestiário", deixou para os leitores alguns dos contos mais importantes da literatura no século 20.